Notice (8): Undefined index: HTTP_ACCEPT_LANGUAGE [APP/Controller/AppController.php, line 55]
- Do Outro Lado da Linha

Do Outro Lado da Linha

Font Size:

Eric do Vale


Em transe ficou doutor Navarro, após atender ao telefone. Desligou-o num rompante, assim que a esposa apareceu. Curiosa, ela indagou:

- Quem era?

- Engano.

Mal chegou no seu consultório, no dia seguinte, perguntou a sua secretária:

-Alguém me procurou?

- Não, doutor.

-Ninguém?

- Ninguém.

- Ninguém mesmo?

- Só os seus pacientes...

- Fora eles?

- O doutor Cláudio, doutor Julião...

- Além desses, ninguém mais?

-Não. Ninguém, por quê?

-Esquece.

Mesmo se fazendo de rogada, ela achava esse comportamento esquisito. Tal pergunta era feita por ele a toda hora e em qualquer lugar que fosse: no hospital militar, na escola de medicina e até mesmo em casa. Isso já estava virando uma paranoia.

Em casa, certa vez, quando a sua esposa foi atender ao telefone, doutor Navarro saiu do escritório, tomou-o da mão dela e disse:

-É pra mim.

Desconcertado, tirou-o do ouvido e entregou para a sua esposa:

-É pra você.

Acreditando que tudo aquilo era fruto do excessivo trabalho, ela sugeriu-lhe tirar umas férias e viajar para espairecer um pouco. Como um bom marido, doutor Navarro ouviu o seu conselho e durante um mês viajaram para a Europa.

Quando voltou, ele era uma pessoa extremamente leve. Tudo corria bem até que um dia, ele perguntou a sua secretária:

- Tem certeza de que ninguém veio me procurar?

-Claro que sim, doutor.

Ele repetiu essa pergunta pouco antes de ir embora, ao ponto dela perder a paciência:

-O senhor está duvidando da minha competência, doutor Navarro?

-De jeito nenhum.

- Só hoje, o senhor me perguntou isso umas cinco vezes! Fora os outros dias!

Ele desculpou-se e prometeu não mais importuná-la com aquela pergunta. Quando chegou em casa, tomou um banho, foi jantar e não balbuciou nenhuma palavra. Assim que todos foram dormir, o telefone tocou. Doutor Navarro foi até o gabinete e atendeu:

- Alô

-Doutor Navarro!

-Você?

-Doutor Navarro...

Colocou telefone sobre a escrivaninha, levantou-se e voltou a se sentar, mas não o pôs novamente no ouvido. Um estampido rompeu o silêncio daquela madrugada, despertando a todos. Doutor Navarro estava com o rosto sobre a mesa numa enorme poça de sangue. O telefone encontrava-se fora do gancho e ainda era possível ouvir uma voz do outro lado da linha. A empregada pegou o telefone e falou:

- Alô.

-Doutor Navarro, doutor Navarro!

-Quem é?

Ouviu-se um som de uma pancada seguido do ”tum tum tum”.

Published at : 22-07-2016
Category : Short story