Sem Sentido 

-

Font Size:

 

Trajada de negro e com as orelhas sortidas de alfinetes, ao meu encontro, aquela figura veio, quando eu me direcionava rumo ao ponto de ônibus. Embora ele me parecesse familiar, optei em não encará-lo, porque receei de que pensasse que eu estivesse fazendo caso de sua esdrúxula aparência. Certifiquei-me de que estava certo, quando ele mencionou o meu nome e perguntou:

-Não se lembra de mim?

Antes que eu me manifestasse, ele identificou-se e tamanha foi a minha surpresa, que, por meio de um dialogo, dissimulei:

-Quanto tempo! E aí, o que você está fazendo da vida?

-Artes plásticas.

-Sério? Lembro que você desenhava bem pra caramba!

-E você, continua escrevendo?

-Agora, mais do que nunca. Sou graduado em jornalismo.
 

Não estou bem certo se a conversa teve prosseguimento, mas recordo-me de que segui o meu caminho, após nos despedimos, em direção a parada, onde aguardei o ônibus extasiado: “Deixa o pessoal saber disso! Ninguém vai acreditar, mesmo assim eles precisam saber!”.
 

Ele jamais havia dirigido uma palavra a mim e aos demais colegas de classe no período em que estudamos juntos. Durante dois anos, ninguém nunca o ouviu desejar “Bom dia!” ou responder “Presente” na hora da chamada. Sentava-se próximo a porta, encostado na parede, e não se levantava para nada. Comumente, folheava uma revista em quadrinhos ou passava o tempo desenhando qualquer coisa. Enquanto confabulávamos na hora do intervalo, ele mantinha-se alheio a tudo e a todos.  Tentamos fazê-lo entrosar-se conosco, porém a sua recalcitrância superava as nossas boas intenções.

Fomos, um dia, requisitados a ficarmos de pé, para cantar o Hino Nacional. 
Sentado ele estava e sentado permaneceu até o fim da solenidade. Visando repreendê-lo, o professor questionou:

-Por que você não se levantou? Você não é brasileiro?

A sua resposta, como de praxe, foi o seu silêncio.

No ultimo ano letivo, alguém suscitou a possibilidade de ele tornar-se o orador de nossa formatura. É obvio que ninguém levou a sério, tão pouco o seu idealizador, que profetizou:

-O dia em que ele falar, todo mundo vai ficar perplexo.

 Mesmo concordando, todos nós sabíamos que isso jamais aconteceria e como, de fato, não aconteceu. Só não contava que, passados muitos anos, tal afirmação surtisse efeito.

 

 

Published at : invalid
Category : Short story