O peso da Cabeça!

Font Size:

Sabe aquele momento que nem o cigarro te relaxa? 

Não adianta nada, eu tomar comprimidos na comida se a minha mãe, continuar me perturbando desse jeito!

Ela fala, que eu a odeio, pois eu disse: ''Eu tô com muito ódio!''

Mas não estava falando dela, mas do que ela fez.

Sou eu, que nunca recebi amor. - Eu sempre tomei pancada! Seja na escola, na rua ou, em casa.

Eu entrei em depressão em casa, pois, achava que eu iria ficar seguro em casa...

Doce ilusão: Se puxar pela memória, lidar com os meus pais, OS DOIS, sempre foi difícil. - Eles pegavam o seu psicológico, e rasgavam feito um papel sem fins para ser usado.

É como se eu fosse um gay. - Dependendo da casa, você não se sente seguro nela. E muito menos, na rua e nem no colégio.

Talvez, seja um teste de resistência. - Você tenta aguentar sua cabeça sendo massacrada, mas sem ganhar dinheiro no final. - Pelo menos, não é um teste capitalista.

Se eu não demonstrei nenhum amor à meus pais, até agora, não é porque eu não os amava, mas é porque, eles não deixavam. - Se for puxar pela memória, um falava que era coisa de viado e outra, de retardado!

E a pessoa que realmente tive liberdade de dizer isso, me chamou de gentinha. - É... Acho que a consciência, diz:

''É, Victor, sua vida tinha que acabar por aqui! Já era''.

Minha mãe, hoje falou, que eu era insensível. - Mas foram eles, que me deixaram assim.

Ah, é verdade, se eu não fosse sensível, nem um pouco, eu não estava escrevendo, não estaria em depressão e eu, estava no jogo do Palmeiras X Guarani chamando o Richarlyson de viado.

Mas o foda, é que eu sinto. - E sinto muito! 

É como uma facada no peito. - Uma pedrada na cabeça... E se você, se defende, é pior. 

É pior pra saúde mental, física e cardíaca.

Encontrei a chave que destrancava as minhas dúvidas enquanto o amor. 

É por isso, que eu achava essa frase importante quando eu te disse ela. - Por causa da perturbação.

Talvez, minha mãe, devesse me perturbar mais. - Eu escrevo melhor em momento de pressão. 

 E eu, só confio nos amigos que me leem nesse momento.

Talvez, eu precise de você aqui pra me tirar desse mar aberto.

Mas escrever nesse momento, se torna suficiente. 

A dor do peito está passando...

Vamos marcar outro dia ou, nunca mais. - Até porque, você não lembra que eu existo.

Published at : 14-05-2017
Category : Articles and Opinion