Notice (8): Undefined index: HTTP_ACCEPT_LANGUAGE [APP/Controller/AppController.php, line 55]
- A carência de fadas

A carência de fadas

Os relacionamentos nos dias atuais

Font Size:

Nos últimos tempos, tenho observando um crescimento voraz de jovens reclamando da falta de parceiros(as) ideais para se constituir compromisso. Um dos motivos para isso pode tanger vários aspectos ‘mercadológicos’: Não há quem queira firmar de fato compromisso, por preferir a solteirice, ou está se exigindo demais, por parte de quem procura, no que diz respeito ao parceiro(a). Desde as civilizações antigas, as várias formas de relacionamento existem e vigoram até os dias de hoje. O amor é de fato atemporal. Não tem sexo, não tem cor, não tem raça, tampouco classe social. O amor é livre da algemas ex homine. Contudo, nos dias de hoje, parece que existem barreiras concretas e abstratas que ocasionam a não execução deste amor. Eu diria que nossa sociedade se impregnou de ilusão com aquele velho conto da jovem que está a esperar o príncipe encantado, perfeito, padrão, belo, formoso, herdeiro de uma grande fortuna e que possui um belíssimo palácio. Desse modo, não há espaço algum para o que justamente é atribuído as dos seres humanos: os defeitos. O que se busca, portanto, é o que nenhum ser humano conseguirá oferecer: a perfeição. Quanto mais se exigir essa qualidade, menos pessoas terão laços de afetividade entrelaçados com o outro. Espera-se demasiado do parceiro ou da parceira, mas se esquece que também há pontos muitíssimos comuns. E é isso que torna os seres pensantes humanos. E é isso que os faz ser quem realmente são. Pois é com defeitos do outro que aprendemos a lidar com os próprios defeitos. É claro que há quem prefira não se prender a ninguém, que prefira ser solteiro, ou até opte pelo celibato, no entanto será que essa satisfação é perpétua? Será que isso se basta? Ou será que essa felicidade está em nós mesmo? Uns acreditam que sim. Quem sou eu para discordar? Nem resposta efetiva tenho para essas perguntas... O que sei é que nada sei, já dizia Sócrates. Por conseguinte, é preciso refletir, variavelmente, sobre todas as possibilidades e deixar essa história de príncipe encantado somente para os contos de fadas. Uma vez que a realidade, apesar aparecer assustadora, tem também seus momentos de magia. Quanto menos se exige de alguém, menos fardo emocional cairá sobre a consciência. O tempo, jovens, isso também me inclui, ruge ferozmente e pode ser que o amanhã seja tarde demais. (J)

Published at : 10-09-2017
Category : Articles and Opinion