Notice (8): Undefined index: HTTP_ACCEPT_LANGUAGE [APP/Controller/AppController.php, line 55]
- Carta Aberta aos meus Amigos

Carta Aberta aos meus Amigos

das consequências de uma semana maldormida

Font Size:

Por favor, entendam que meu jeito meio seco é só defesa, assim como as constantes tentativas de fazer graça e as reclamações em forma de piada. Não julguem meu embaraço ao ser apresentada a alguém, quando eu ficar sem jeito ou com a cor do tapete do Oscar e começar a dizer coisas estúpidas ou sem sentido. Eu não sei ter amigos, não sei aceitar ajuda. Não quero ser um incômodo por ter medo de perdê-los (o que acontece com mais frequência do que eu gostaria), então geralmente me calo quando estou com problemas, às vezes fico distante apesar de querer dividir meu fardo com alguém; perdoem meu ar inconveniente nos dias em que acordo questionando minha existência. Mas quando precisarem de alguém, de um ombro, um pedaço de bolo, de ajuda pra esconder um corpo, eu vou virar minha vida de ponta cabeça e ajudar de alguma forma, isso é parte de mim. Eu vou me preocupar sim, até demais, vou fazer um desabafo parecer um interrogatório, vou perguntar "Como você está?" várias vezes. É assim que me importo e não há outra maneira. Mas às vezes eu não vou conseguir dizer nada que conforte, não sou a amiga que vai mentir para que fiquem bem, tenho horror a isso. Às vezes, no meu "Puxado..." de sempre, tem milhares de coisas que eu queria dizer, mas não sei como nem se devo fazê-lo; conversas banais já me confundem, imagine algo sério... Quase nunca sei o que fazer. É que as pessoas me intrigam e assustam ao mesmo tempo, e em vinte anos ainda não sei lidar com elas. Desculpem-me por não ser aquela com a palavra certa na hora certa. Na maioria das vezes, eu vou apenas ficar ao seu lado e sofrer junto, depois tentar virar a situação e arrancar de vocês um riso triste. Sei bem da minha limitação, conheço minhas travas e defeitos bem demais. Sim, vai demorar cerca de dois meses para que eu comece a derrubar alguns muros que construí (a demolição completa, só Deus sabe o quanto vai durar). Não me levem a mal, tenho medo de chatear ou fazer algo errado, não quero estragar nada, só pra variar, já que sou completamente desastrada em todos os aspectos da vida. Não desistam de mim. E, por favor, me percebam. Eu sei que é pedir demais, mas não costumo ser explícita. Vou fazer meu máximo para que não vejam o que sinto, mas tentem, admitir é mais fácil que contar. De vez em quando, podem ser duas vezes na vida e uma na morte, perguntem como estou ou ao menos mostrem que me suportam, pois em dias como o de hoje, não consigo imaginar como alguém o faria. Muito obrigada por todo o tempo, sejam dias ou anos, que passaram comigo. E, se puder fazer um último pedido, não desapareçam sem mas nem porquê. Eu amo vocês, de verdade.

Published at : 13-04-2018
Category : Articles and Opinion